sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Católicos "meia-boca"

Disse Jesus: “Vocês são meus amigos, se fizerem o que eu mando. (Jo 15-14)

Uma amiga minha, velha conhecida de Igreja, me surpreendeu negativamente ao se declarar a favor do aborto. Ela, sendo "católica", assumiu abertamente sua posição favorável à morte de uma pessoa que ainda não nasceu. Mesmo conhecendo a doutrina católica sobre a vida, ela se diz católica e favorável ao aborto. 

Lembrei-me de um conceito defendido por uma jovem amiga da Pastoral da Juventude que dizia que vivemos num tempo de "Católicos meia-boca". 

O Católico meia-boca é aquele que se diz católico, mas se coloca diversas vezes contra o ensinamento do Evangelho e da Igreja. É aquele tipo de pessoa que comunga a eucaristia, mas não comunga a doutrina nascida a partir da Palavra de Deus. 

Ser católico significa ser livre para fazer o que quiser, lembrando que nem tudo convém a ser feito (cf 1Cor 6,12). Ser católico implica na vivência de direitos e deveres. Ser católico permite a discussão de tudo sem abrir mão do fundamento que é o Evangelho. A Igreja nunca abrirá mão do Evangelho que, em última instância, é Jesus que é Vida. 

Nós católicos podemos discutir nossa doutrina, mas não podemos ir contra a clareza do Evangelho. O Evangelho é muito claro em sua defesa da vida, pois Jesus sempre se colocou ao lado do mais fracos e indefesos: pobres, crianças, mulheres, doentes, viúvas, marginalizados, etc., são defendidos por Jesus que sacrifica a própria vida para nos dar vida plenamente. A morte não será defendida por aquele que venceu a morte. 

Assim, ser católico nos dá liberdade, pois "foi para a liberdade que Cristo nos libertou”(Gl 5,1), mas também nos traz uma imensa responsabilidade na defesa da vida. 

Este pequeno artigo não quer tratar das razões éticas e filosóficas porque a Igreja é contra o aborto, mas sim tratar da contradição vivida por aqueles que se dizem católicos e assumem posições imensamente contrárias à fé católica. 

Biblicamente a frase de Jesus Mestre: "Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância"(Jo 10,10) é suficiente para qualquer cristão católico, isto é, para qualquer pessoa que leva as palavras de Jesus a sério, seja radicalmente contra o aborto. Eu repito, apenas esse versículo é suficiente para que sejamos contra o aborto. Ser a favor do aborto é ser contra o Evangelho e ponto final. 

Dizer-se católico e ser a favor do aborto é uma gigantesca imbecilidade típica das pessoas mais néscias que desconhecem o Evangelho e negligenciam a pessoa de Jesus que, encarnando-se entre nós, habitou o ventre de Maria como embrião, feto e bebê, nascendo e sendo criança como qualquer criança que não foi assassinada no ventre materno. 

O católico meia-boca é aquele no qual Jesus tratou no livro do apocalipse: "Conheço sua conduta: você não é frio nem quente. Quem dera que fosse frio ou quente! Porque é morno, nem frio nem quente, estou para vomitar você da minha boca."(Ap 3,15-16) 

Sim, o católico meia-boca, faz Jesus vomitar. Ou ele muda de vida, ou será extirpado do corpo de Jesus. Vejam, o católico meia- boca, não permanece com Cristo, assim Cristo não permanece nele. Será cortado pelo Pai, será juntado com outro ramos secos e, por fim, será queimado. (Cf Jo 15,1-4)

Resumindo, o católico meia-boca simplesmente não é católico. Um católico não pode assumir a fé contra o Evangelho que é a fonte da própria fé. Só resta a conversão. 

É provável que a espiritualidade do católico meia-boca seja um diálogo infrutífero, pois qualquer pessoa que sinceramente se coloca na escuta do Mestre há de concordar que a vida indefesa de quem ainda não nasceu é preciosa ao Pai eterno. A oração deve nos levar a fazer a vontade de Deus e não o contrário.

Precisamos rever nossas posições à luz do Evangelho e da doutrina da Igreja, a fim de sermos coerentes com nossa fé. Não podemos assumir a fé pela metade. Ou sejamos quentes ou sejamos frios…

Sobre o aborto escreveremos em breve. Paz e bem. 



Oremos: Senhor Jesus Cristo, Mestre de mim, vosso Evangelho é Palavra de Vida. Vós destes vossa vida por mim e por todos e me chamastes para ser vosso discípulo. Peço a Vós que não me deixeis viver contra a Vossa Palavra e que me permitais viver segundo a vossa vontade. Assim seja. 


2 comentários:

  1. Como São Paulo: O Evangelho não era Dele, mas Ele era do Evangelho. Paulo sofreu muito com os "Falsos Irmãos" (Cartas aos Gálatas e Cartas aos Romanos)..

    ResponderExcluir

Tenha educação...