terça-feira, 24 de junho de 2014

Quando a Tristeza bate...

Tomado de angústia, Jesus rezava com mais insistência. Seu suor se tornou como gotas de sangue, que caíam no chão. Levantando-se da oração, Jesus foi para junto dos discípulos, e os encontrou dormindo, vencidos pela tristeza. (Lc 22,44-45)

O Cristão é alguém guiado pela alegria. Ser alegre não significa que não terei momentos de tristeza. A Tristeza nos abraça independente de nossa vontade, pois ninguém tem vontade de ser triste. Até mesmo os góticos querem um mundo livre da tristeza.

Há momentos em nossa vida em que a tristeza irrompe de maneira tão gritante que parece que vamos perder nossa vida. Um aperto no peito nos sufoca, um enorme peso nos ombros nos cansa profundamente e nossa cabeça insiste em pender para baixo. Nosso espírito torna-se sombrio e nossa mente não consegue pensar em coisas boas, mas apenas pensamentos negativos. A derrota é apenas a única coisa a ser enxergada no horizonte.

A tristeza, apesar de toda dor que ela traz, pode nos ajudar a crescer para sermos melhores e capazes de construir um ambiente melhor. A tristeza sempre nos leva a refletir e, se formos humildes, ela nos levará a dar respostas criativas e, no fim das contas, nos tornaremos melhores do que somos.

É na tristeza onde surgem os melhores poetas e artistas. Também os religiosos místicos e os grandes santos realizaram seu grande encontro com Deus nos momentos de tristeza profunda, onde a noite escura atingiu seu ponto mais nevrálgico. Paulo, Francisco, Tereza, Clara, Antonio, Agostinho, Tomás, etc… Todos passaram pela tristeza.

Mas o modelo principal dessa realidade sempre será nosso Mestre Jesus. Jesus também passou momentos de tristeza. E sempre reagiu de forma criativa fazendo da tristeza combustível para implantar o seu Reino de Amor. 

Jesus e seus primeiros discípulos passaram por muitos momentos de tristeza. E eles culminaram na cruz. Jesus nunca fugiu das dificuldades da própria vida. Assim, Ele nos ensina que diante da tristeza devemos assumir nossos sentimentos e pensamentos e, com humildade, perceber a aceitar as consequências de nossas ações e as dificuldades impostas pela vida e pelas circunstâncias.

Jesus também nos ensina que a tristeza revela nossas limitações. Na tristeza somos obrigados a nos aceitar do jeito que somos: com nossos defeitos e pecados. Novamente é aqui onde devemos ter humildade acima de tudo.

Se soubermos ser humildes diante da tristeza, como Jesus Mestre poderemos tirar proveito da tristeza e nos encontrarmos intimamente com Deus. Escutaremos sua voz no interior de nosso ser e poderemos sair da crise mais maduros e firmes no amor. Não devemos ser tristes, mas devemos tirar proveito da tristeza. Em Cristo, a noite escura da tristeza dará lugar ao dia mais claro onde a felicidade falará mais alto. 


Oração: Senhor Jesus Cristo, Mestre de mim, diante da tristeza que assola meu coração vejo-me nu como Adão e Eva no Paraíso. Eu tomo consciência de meus pecados e das minhas limitações. Ajudai-me a tirar proveito da tristeza sendo criativo e poético em vosso amor. Que eu não perca a vossa ternura nem o brilho no olhar. Assim seja!

Pe. Demetrius Silva


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tenha educação...